Tico Santa Cruz manda um Recado à Eduardo Costa - Assista ao Vídeo

ASSISTA:
Por Tico Santa Cruz: A questão do racismo no Brasil é urgente, mas é muito pouco colocada em pauta. Apenas quando um Ministro comete uma gafe ou quando um artista faz um pronunciamento relativizando essa pauta é que acontece algum debate, e mesmo assim com uma linha de argumentação bastante poluída é repleta de desinformação.
Pra começar pessoas de pele clara, ou seja "brancos" como eu, no máximo podem ter uma empatia pela causa e colaborar para que o assunto seja aprofundado.
Quando dizemos que não existe RACISMO INVERSO - estamos categoricamente afirmando que brancos não são julgados por sua cor. Podem ser julgados por sua condição social - pobres, miseráveis - mas nunca por sua cor.
Inúmeros são os relatos de negros que chamam atenção pra forma como são tratados nesse país. Discriminados, julgados, mortos, marginalizados, expostos a todo tipo de violência, física e psicológica.
Durante o ano passado participei de inúmeros debates sobre o extermínio da juventude negra, um assunto que não está nos jornais, não está na TV e quando aparece nas redes sociais é relativizado e banalizado.
"A carne mais barata do mercado é a carne negra" canta Elza Soares.
Quando artistas do porte do cantor Eduardo Costa, minimizam a questão do Racismo de forma explícita e ampla, por ser um ícone de um estilo popular, talvez sem perceber, colabora com a relativização do problema.
Uma coisa é a forma e a intimidade com a qual você trata "um amigo negro" na sua vida privada. Se ele não se importa, é uma questão entre vocês.
Outra bem diferente é jogar isso numa rede social e achar que todos os negros e negras não se importarão com essas piadas e apelidos, e que aqueles que levantam a voz contra esse tipo de abordagem, são vitimistas e "mimizentos".
Nós artistas temos uma responsabilidade muito grande, principalmente com temas que são de extrema importância para o nosso país.
Os fãs são passionais, ainda mais quando envolve nessa pauta uma crescente onda de intolerância provocada por personagens políticos que prejudicam o diálogo!
Se o vídeo que fiz em resposta ao cantor gerou muitas manifestações raivosas contra minha abordagem e também contra minha pessoa, espero que tenha gerado uma reflexão em quem de alguma maneira participou ou conversou sobre o tema.
Não podemos mais aceitar que "antigamente a gente fazia piada com negros e não tinha problema nenhum, hoje essa geração politicamente correta transforma tudo em vitimismo" . Esse discurso é atrasado! Hoje as minorias e quando falamos de MINORIAS estamos falando em representatividade política e social e em suas lutas por direitos e igualdade, não estão mais naquele lugar confortável que permitia a quem quer que fosse, se manifestar livremente de maneira racista, machista ou intolerante.
Não estou dizendo com isso que o cantor em questão é racista. Estou dizendo que o racismo está presente em todos nós, muitas vezes em forma de brincadeiras de mau gosto e atitudes que nem percebemos, e para mudarmos essa sociedade, precisamos sinalizar quando algo desse tipo acontece é dialogar sobre o tema.
Eu sou apenas um homem, branco, classe média, hétero, que não sofre na pele absolutamente NADA disso, mas não sou indiferente a causa dos irmãos negros e negras.
É isso.