Ex-presidente da Petrobras, Aldemir Bendine é denunciado por corrupção na Lava Jato

Bendine foi preso em 27 de julho, na 42ª fase da Lava Jato, suspeito de receber R$ 3 milhões em propina do Grupo Odebrecht. Caso a denúncia do MPF seja aceita pelo juiz Sergio Moro, responsável pela operação na primeira instância, Bendine passa a ser réu.
"Se condenado pelos crimes, a pena de Bendine pode chegar a 25 anos de prisão", afirmou o procurador Athayde Ribeiro Costa. O MPF pediu ainda R$ 3 milhões de ressarcimento para a Petrobras.
Costa disse que o pagamento de propina a Bendine quando ele assumiu a petroleira para sanar a corrupção mostra a "audácia da prática da criminalidade". "O intento de Aldemir Bendine era facilitar a vida da Odebrecht na Petrobras", afirmou o procurador.
Além de Bendine, foram denunciados também os irmãos André Gustavo Vieira da Silva e Antônio Carlos Vieira da Silva Júnior – suspeitos de operar os repasses e lavar o dinheiro de propina –; Marcelo Odebrecht, Fernando Reis e o doleiro Álvaro Novis.
Quando foram presos pela operação, Bendine, André e Antônio Carlos negaram as acusações.