Morre dono da OAS, que negociava delação premiada contra Aécio Neves e Juízes



César Mata Pires, que morreu nesta terça-feira, seria um dos delatores da OAS a relatar pagamentos de propina e caixa dois em obras do governo do Estado de São Paulo, como linhas do Metrô e Rodoanel; ele também delataria o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e juízes do STJ

O maior acionista e um dos fundadores da empreiteira OAS, Cesar Mata Pires, morreu nesta terça-feira (22/8), em São Paulo. O empresário foi vítima de um infarto fulminante. Pires, que, segundo informações do jornal Folha de S. Paulo, negociava acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República (PGR), caminhava pelo bairro do Pacaembu, na capital paulista, quando sofreu o infarto.As informações são da coluna de Fausto Macedo, do jornal O Estado de S. Paulo. A construtora é um dos principais alvos da maior operação contra corrupção da história do Brasil, a Lava Jato.

Delação
O início das tratativas para delação premiada do executivo começaram em 2016. Mas, após informações vazarem à imprensa, os investigadores suspenderam as negociações. Retomaram as conversas neste ano, incluindo acionistas entre os delatores da empresa. Porém, a morte de Mata Pires deve atrasar a assinatura do acordo.

A OAS, segundo seu próprio site, foi criada em 1976, na Bahia, com atuação no setor de engenharia e infraestrutura. “Hoje, é um conglomerado multinacional brasileiro, de capital privado, que reúne empresas presentes em território nacional e em mais de 20 países.”